Endoscopia Indolor /P.I./ext3

Dizem que é terrível hoje em dia; amanhã não mais.

Graças ao bom Deus eu nunca passei por isso, e espero que você também nunca precise, mas hoje mesmo eu vi um sujeito morrendo de medo poucas horas antes de passar por uma seção de endoscopia tradicional, isto é, com aquele cateter de 9 mm de diâmetro pela garganta abaixo, claro, sob anestesia pois dizem que a dor é horripilante.

Tal fato me chamou atenção porque acabo de ler uma matéria publicada no ScienceDaily sobre um novo endoscópio bem mais avançado, prático e que não requer anestesia durante o exame, sem dor mesmo. Estamos falando de uma câmera minúscula de alta qualidade do tamanho de uma pílula munida de uma fibra ótica para iluminar e outras seis para coletar a luz. Tudo isso com mobilidade total possibilitando fotos variadas em 360° no interior do estômago. Agora, o que conecta tudo isso ao ambiente externo é uma sonda de apenas Ø 1,4 mm, que no máximo faz, digamos, cócega na garganta. Esse minúsculo cateter permite visão mais ampla em toda a extensão da área escaneada: faringe, esôfago e principalmente estômago.

Esse conjunto ótico pode captar até 15 fotos de qualidade por segundo, cuja resolução ultrapassa 500 linhas por polegada. Outra vantagem é o custo do exame que tende a baixar ainda mais à medida que novas parceirias vão se formando. Tão simples que tal procedimento poderia até ser realizado em shopping center, imagina Eric Seibel da Universidade de Washington, que aposta no aperfeiçoamento do aparelho não apenas para tirar fotos mas também para tratamento, inclusive de outras doenças.

Por outro lado, um outro estudo na mesma área realiza testes com endoscópio sem fio, também minúsculo do tamanho de uma pílula, porém com desvantagens quanto à abrangência da área fotografada internamente.

Uma coisa é certa, a popularização de escaneamentos mais rápidos, indolores e de baixo custo, tornaria possível o diagnóstico precoce de certas doenças graves, o que facilitaria a cura ainda na fase inicial. É o que acontece com o câncer de esôfago, que triplicou nos últimos 30 anos, ao ser devidamente diagnosticado no primeiro estágio (Barrett), apenas alguns procedimentos clínicos podem evitar o pior. Isso sim poderia salvar muitas vidas.

Lembra daquele sujeito que falei no começo? Pois é, ele passou pelo exame mas foi direto para casa com todo o desconforto causado com o corpo dolorido por dentro, sem falar que teve que se afastar do trabalho para esse fim. Se o novo exame estivesse por aqui à disposição, ele teria perdido alguns minutinhos, obtido resultado com mais precisão e sem necessidade alguma de anestesia.

Bem que este pode ser mais um extrato da lista de Percepção Inovadora (P.I.).

Petrosky

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: